Comunicação ou Coprodução e Coaprendizagem: Diálogo com a Obra Extensão ou Comunicação?

Comunicação ou Coprodução e Coaprendizagem: Diálogo com a Obra Extensão ou Comunicação?

Décio Auler - Editora Appris

sinopse

Paulo Freire busca colocar os oprimidos, as classes sociais subjugadas, no palco da história. Contudo, uma efetiva emersão como sujeitos históricos fica fragilizada, considerando que há uma incompletude: suas demandas continuam sendo, majoritariamente, trabalhadas por conhecimentos e práticas demandados pelos opressores. Na obra Extensão ou comunicação?, é frágil a compreensão de que conhecimentos e práticas hospedam valores. O silenciamento, a não problematização de valores funcionais ao capital, hospedados na tecnociência capitalista, constitui situação-limite nessa obra. Há uma incompletude. Incompletude teórica e inconclusão do ser humano, como processos históricos, caminham conjuntamente. Incompletude e inconclusão, associadas à humanização, demandam lutas políticas. Lutas iluminadas, sinalizadas por determinados valores. Mais e mais, a dinâmica tecnocientífica global faz circular valores funcionais ao capital. Se a humanização, o ser mais, constitui vocação ontológica do ser humano, o seu contrário, a desumanização, também consiste em possibilidade histórica. Por exemplo, uma tecnociência cada vez mais empresarial, mercantilizada e privatizada, dinâmica relacionada à progressiva degradação socioambiental. Práxis desenvolvida, pautada nos princípios da agroecologia, trabalhando incompletude identificada, contribui com sinalizações promissoras. Nela, a categoria freireana diálogo precisou ser alargada para diálogo de saberes, o qual é constituído de três campos que dialogam entre si: os conhecimentos produzidos historicamente, conhecimentos resultantes do enfrentamento de demandas ignoradas historicamente e a memória biocultural. Duas novas categorias, em processo de amadurecimento, sintetizam a caminhada: coprodução e coaprendizagem. Sinalizam novos horizontes para processos produtivos e educativos. Nutrem-se do diálogo entre ambos. Diálogo entre agenda de pesquisa do oprimido e pedagogia do oprimido. O diálogo de saberes, a problematização freireana e os valores tornados prioritários constituem elementos que dinamizam, que organizam a coprodução e a coaprendizagem. Essas categorias expressam um novo inédito-viável no campo da produção de alimentos, a agroecologia. Na obra Extensão ou comunicação?, Freire problematiza a extensão clássica, pautada em pressupostos tecnocráticos, propondo a comunicação mediante processos dialógicos e problematizadores. Sua robustez torna-a perene. Contudo, com elementos de hoje, a presente obra soma-se no sentido de trabalhar a incompletude identificada nela. Incompletude inerente a processos históricos, hoje, mais evidente, considerando a densificação de elementos empíricos e teóricos. Incompletude trabalhada que faz a presente obra avançar de comunicação para coprodução e coaprendizagem.

231 páginas

Acessar agora

Leia também em Estudos e Concursos